Menino Recém Desencarnado

Relatos, Relatos Saulo Calderon 1 Comment

Salvador 13 de Janeiro de 2005

Deitei-me à 3:45 da madrugada

Senti uma energia boa, um relaxamento energético pelo corpo inteiro sem que eu precisasse comandar o processo.
Era certo que alguém estava no ambiente me ajudando.

Senti a certeza da projeção.

Mas continuei a fazer os exercícios energéticos, principalmente do chacra frontal.

Após algum tempo, sinto o corpo totalmente paralisado. Sinto varreduras energéticas fortes. E resolvo levantar do corpo. Levantei sem dificuldade alguma.

Saí pela porta do quarto e me dirigi para a saída da minha casa.

Desci as escadas e quando me dei conta da velocidade que estava indo, parei.
Pensei: – Para onde estou indo? Resolvi elevar a minha consciência (lucidez) naquele momento, e senti uma expansão muito grande.

E ao fazer isso, resolvi dar uma pesquisada nas redondezas.

Entrei na casa de minha mãe procurando alguma entidade, eu sentia que tinha algo por ali.
Comecei a ver várias, mas nenhuma delas era meu foco, e elas pareciam nem me notar.

Até que vejo uma criança brincando no chão, porém também parecia um pouco triste.

Cheguei perto e disse “oi”.

Ela respondeu dizendo que estava me esperando, que o Tio tinha dito a ela que eu iria ajudar.

E falei: Como posso te ajudar?

– Quero que mande um recado pro meu Pai.

Enquanto ela falava aquilo, captei que era um espírito que já era pra ter saído dessa dimensão, e que estava ali só por esse motivo. E falei:
– Mas menino, você tem que ir com eles. Aqui não é lugar pra você.
Ele respondeu balançando a cabeça:
– Olha, já estou cansado dessa conversa, nem vem que não saio daqui antes de deixar meu recado pro meu Pai.

– Tá bom, qual é o recado? Eu vou ver se passo. (Eu já sabia por intuição que o Pai dele estava aqui na Terra, e ele tinha desencarnado recentemente e não queria ir embora.)
– Quero que fale pro meu pai, que o Carrinho que ele ia comprar pra mim, tem que ser com a frente da ferrari (enquanto ele me falava isso, via formas pensamentos que criava em sua frente), e quero que ele coloque no meu quarto assim mesmo, mesmo eu não estando lá.

Ele falou isso quase gritando pra mim. Eu sabia que tinha que me lembrar e falei:
Olha, essas coisas não são fácies de lembrar quando voltamos, você sabe que estou fora do corpo e vai depender da hora que eu abrir os olho lá, eu lembrar e ainda levantar pra anotar.

Ele disse: Não tem problema eu vou com você até lá e te ajudo a lembrar.

Ok, deixa eu repetir o que você me disse: Seu pai tem que comprar um carrinho com a frente da Ferrari. (repeti várias vezes).

E falei, ok vou voltar pro corpo agora. Ele falou: eu vou com você.

Nesse momento pensei fortemente no corpo físico, e voltei mas em catalepsia.

E vi do lado da cama o menino em pé me olhando, e percebi nesse momento alguém do lado dele.

E falei pra ele: Olha não estou conseguindo voltar, deixa eu forçar o reencaixe.

Ao falar isso ele pulou em cima do meu corpo e começou a pular várias vezes gritando: Acorda!! Acorda!!. Achei a situação bem engraçada no momento. Eu repetia pra ele: Carrinho com a frente da ferrari né?

Até que consegui voltar. Sentei-me na cama, com um sono gigantesco. E falei:
Carrinho com a frente da ferrari né?
isso senti um arrepio forte no corpo, confirmando a presença dele no ambiente.

Levantei e anotei num bloco de notas do PC, e fui deitar novamente.

Só que tem um detalhe nisso tudo que eu esqueci.

Quem é o pai do menino? E qual o nome dele?

Parece que os dois agiram como criança, ele que não queria ir embora por um motivo tão simples, e eu que fiquei de mandar uma mensagem pra alguém que não sei, de alguém que nem o nome eu perguntei.

O interessante é que, no mundo espiritual, há milhares de espíritos com assuntos tão bobos, mas que levam a sério.

Pensando agora me deu certo tipo de pena da criança, que tinha um desejo tão simples… Eu sinceramente acho o motivo muito bobo, mas para ele aquilo deve ser muito importante a ponto de mudar a sua própria vida e o seu curso.

De qualquer forma o que eu pude fazer foi anotar esse relato e passar adiante. Quem sabe não apareça alguém.

Dá até um tipo de vergonha em passar essa mensagem a frente, talvez pensem que sou bobo por enviar um recado como esse, mas só fiz o que eu vi de forma bem lúcida.

Então, se alguém souber de um pai que perdeu um filho recentemente, e que o mesmo tinha que comprar um carrinho com a frente da Ferrari…

Que situação heim?

Abraços

Comments 1

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *