O Amor pode ser exercitado…(Exercício)

Saulo Calderon Geral 4 Comments

Exercicio do amor
O Amor pode ser exercitado… 

Mesmo que não seja o melhor exemplo do mundo, convido você para viajar comigo numa visualização e ver que coisa interessante somos nós, como é a nossa forma de ver a vida e mostrar como o amor pode ser exercitado.

Peço educadamente que abra a possibilidade do teste e se desarme por alguns minutos da crítica e pensamento de defesa.

Mas deve fazer uso dele ao final do texto, sem análise, observação justa e equilibrada não iremos muito longe também nessa visualização que usaremos.

Peço que antes de continuar a ler o texto faça uma visualização, será bem simples e acredito que não demorará muito para encontrar o que pedirei.

Há duas imagens acima.

  • Uma senhora sentada numa cadeira numa tarde qualquer.
  • E um menino sentado no chão da sala desenhando!

Você não os conhece… Não sabe quem é.
Até acha bonito, mas nada lhe toca.

Visualize inicialmente eles, mas sem pensar em nada.
Somente observe…
Imagine você passando na rua e olhando uma senhora sentada em frente a sua casa olhando os outros passando. E você também passa e na casa seguinte vê um menino sentado desenhando em sua casa, a porta está aberta e você consegue ver o sofá, a sala e ele desenhando!

. . . (alguns segundos) . . .

Ok.

Esses somos nós normalmente no dia-a-dia.

Sem peso, só passando pelo mundo, cada um naturalmente e FORÇADAMENTE carregando suas dificuldades e preocupações.

Suas ligações…
Suas buscas…
Recursos para sua casa e família..
Nada injusto e perfeitamente natural…

Continue olhando os dois com a mente limpa.

Medite um pouco agora sobre essa senhora.

Ela deve ter filhos, marido, ou talvez o marido já tenha morrido. Mas nada anormal, afinal isso acontece o tempo inteiro nesse mundo, é só uma das muitas histórias que temos por aí afora.

Vá fundo na visualização, faça comparações, mas como você faria normalmente em sua vida, são suas visões.

Olhe também o menino, vamos analisá-lo.

Ele está sentado, alguém comprou o papel para ele, deu a canetinha para ele pintar.

Está treinando para ser um adulto um dia, seu cérebro está em desenvolvimento.

Enquanto tantos correm agoniados pelo mundo, hoje é o seu momento de ser criança e quem sabe ter a oportunidade de crescer em boa família e conseguir uma personalidade boa nesse mundão nosso.

Pois agora vamos ao ponto X desse texto!

Pense agora em sua mãe, tia, avó ou alguém que te criou, ou alguma mulher que foi fundamental na sua vida.Faça isso com toda força possível.
Sinta o amor vir forte em seu coração quando lembrar dessa personalidade única, que esteve contigo em cada momento, que lhe ajudou a ir para escolha, que lhe estendeu as mãos e sempre lhe apoio nos momentos da vida, mesmo que ela não esteja mais aqui nessa encarnação.

Agora volte sua atenção para essa senhora…

E exatamente na mesma forma que ela está, com os mesmos traços imagine que a personalidade dessa pessoa que tanto amor emana está dentro desse corpo, dentro dessa senhora.

Que ali é a pessoa que você ama em outra forma física, mas ali dentro é exatamente aquela pessoa que te conhece, que te ama, que te acompanhou, que esteve com você…

Visualize você parado em frente a ela, ela não te vê… Mas você a vê…

O que sente agora?

Ela está sentadinha ali, mas é a sua mãe, a sua tia, a sua avó que tanto ama ali dentro.

Se tivesse a oportunidade de se aproximar, o que faria uma vez que você não tem dúvidas que ela realmente está ali… o que faria?

Deixaria ela sozinha caso estivesse com fome?

Caso estivesse com dificuldade de andar, ou alguma outra dificuldade financeira.

Caso estivesse talvez só olhando o céu em paz, ou lavando a louça, ou fazendo costura..

Você se sentaria ao lado dela, abraçaria, a deitaria em seu colo…

Você beijaria.

Não teria vergonha de parar, mesmo que TODO mundo te olhasse se ela estivesse sentada na rua a pedir esmola… Ou mexendo em algum lixo de alguma casa procurando algo pra comer ou algo que servisse para vestir…

Pense igual com o menininho!

Naquele corpinho ali diferente, está teu filho, teu sobrinho ou mesmo você quando era pequenino.

Se soubesse da importância da presença de alguém próximo a ele, de alguém para guiar, amparar, mostrar caminhos, ou simplesmente rir e brincar. Curtir uma simples tarde de sábado sem pensar em nada, sem perceber o tempo passar…

Você deixaria aquela criança que você agora passa olhando, se tivesse certeza que era alguém que você ama tanto?

Talvez esse não seja o amor ideal, quando amamos o próximo sem esperar nada em troca e nem fazer ligação com o que somos…

Mas a verdade é que ainda não conseguimos isso.

Nosso amor ainda é voltado de forma muito intensa para o que somos…

Para com quem vivemos… Para com quem convivemos…

Não dá ainda para amar o próximo como a si mesmo…

Não dá ainda para amar incondicionalmente, pois amor é assim!

Quando vemos em todos nós mesmos…

Quando não nos fechamos somente aos nossos…

Quando não achamos que a nossa felicidade está fechada a um pequeno e seleto grupo de pessoas.

Você e eu temos um mundo gigante para sentir uma felicidade muito maior do que uma pequena família.

Todos são nossa família e podemos amar e exercitar esse amor com alguns pequenos ensaios na forma que observamos, alterando o atual paradigma familiar e vivendo além do egocentrismo espiritual inconsciente que ainda temos…

 

E as perguntas que ficam no final são:

  •  Como você me vê?
  • Como eu te vejo?

Um qualquer que está lendo ou escrevendo?

OU um possível irmão espiritual, um parente?
Infelizmente não iremos conseguir amar ainda de forma liberta, mas podemos usar alguns exercícios para começarmos a despertar o verdadeiro amor que vai além da fronteira de nós mesmos e da cultura que atual vivemos…

Um grande abraço a você, que é minha família também, só que ainda não aprendi a ver assim…

Saulo

Comments 4

  1. Bom dia Saulo, muito elucidativo o seu comentário sobre o amor, eu tenho dificuldade extremada na convivencia com meus pais, mas acirrada com minha mãe, sinto que isto se arrasta a muito e muitos dias, tenho lembranças tristes da infancia, tristes da adolescencia e na fase adulta, moro com ela, porem quanto mas tento acertar o compasso, menos entendo-a. Um certo dia meu mano me disse que isso acontece pq sou meio inquisidora, faço muitas perguntas…sem respostas. A ausencia de amor no universo infantil é muitas vezes devastador,um abraço de luz.

  2. E isso ai mesmo irmão,eu também venho me exercitando para expandir este amor,gostei muito ardeu em meu peito enquanto eu lia, grato.

  3. Seu texto é maravilhoso! Me lembrei do livro do Lama Surya Das: O Despertar do Coração Budista, onde no final ele cita alguns tópicos que nos ajudariam no caminho de quem procura evoluir espiritualmente ( e até virar um bodhisatva). Num desses tópicos ele diz mais ou menos assim: “Da próxima vez que você ver ou encontrar um mendigo, ou alguém que esteja passando por extrema necessidade, lembre-se da reencarnação e pense que este ser poderia ter sido seu pai, sua mãe, seu irmão, ou alguém que muito lhe amou ou cuidou de você numa encarnação passada e agora está nesta situação.”

  4. Como Conciliadora e Mediadora, tento ver nos clientes meus familiares,é difícil, mas nem sempre coloco em pratica.
    Peço sempre em minhas orações exercitar o amor ao proximo.Tenho o cuidado de chamar as pessoas de idade como Senhorzinho ou senhorinha,tem Senhoras que se sentem ofendidas, e as vezes reclamam no Cartório.
    Sawabona.
    Namastê.
    Maria José Soares da Silva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *