O amor venceu

Relatos, Relatos Saulo Calderon Leave a Comment

15 maio de 1999

Estou deitado no quarto, me preparando para a projeção. Uma sensação diferente se apossou de mim. Uma energia que transmitia imagens não muito agradáveis. Via um homem com aparência nada agradável, a sensação que tinha, era de alguém me espreitando pelos cantos do quarto. Abri os olhos um pouco para tirar aquelas imagens, mas não adiantava, e quando fechava ficava ainda mais forte. Resolvi me entregar à experiência, fosse ela como for. É claro que senti um certo receio, mas um espírito de pesquisa e também de confiança nos amigos espirituais me deixava mais tranqüilo.

Passaram-se aproximadamente uns 15 minutos, e viro para o lado esquerdo. Após isso, as vibrações energéticas se intensificaram consideravelmente. E perdi o controle do corpo físico, sem perder por nenhum momento a consciência. Tento em vão sair do corpo. Após várias tentativas, rolei para o lado, e consegui sair. Caído no chão, vou me arrastando até sair do quarto e adentrar na sala. Sinto minha liberdade aumentar, os liames energéticos que me prendem ao corpo já não estão vigorosos, e minha lucidez está boa. Mas sinto minha visão espiritual muito falha. Vejo tudo um pouco embasado, e me concentro no frontal, visualizo uma bola branca, e a visão muda automaticamente. Vejo sair dos meus chacras, frontal e da palma das mãos, luzes, como lanternas, e nisso percebo minha visão agora muito melhorada.

Vou até a varanda,e olho para o céu… a minha mania de voar, é muito presente fora do corpo, até penso na possibilidade, mas sinto algo estranho no ambiente, e por intuição sabia que era para esperar.

Olhando da varanda, percebo alguém passar correndo na direção da escada, só consegui ver um vulto rápido e preto. Uma coragem que não sei de onde vinha, me faz quase instantaneamente ir em sua direção. Quando viro para descer as escadas, ouço uma voz nada agradável dizendo assim: – Só digo uma coisa, se descer, vai se arrepender!

Parei. A energia que aquela entidade chegou em mim, me deu um temor interno muito grande. Porém, usando o humor, dou um sorriso, e digo: – Vou descer então, só saberei se foi bom ou não, quando chegar aí. E dei um belo pulo, descendo a primeira parte inteira da escada. Vejo vários objetos vindo em minha direção. Facas, garfos, panelas, etc… Uma barulheira intensa. Uma das panelas de pressão (pelo menos foi a visão que tive), bate no meu joelho, começa a doer bastante. E mancando, vou assim mesmo em direção à cozinha. Por um momento pensei: – Como posso estar mancando, estou aceitando a sugestão da entidade! E resolvo andar normal, mas continua doendo. Forço mesmo assim, e vou rápido. Vejo uma entidade no canto. Com raiva, olhos vermelhos, ela me diz assim: – Nada que fizer me fará sair daqui. – Mas amigo, não quero lhe tirar daí. – Saí daqui seu ****! Disse a entidade me dizendo váras palavras obscenas. Virei às costas, e resolvi largar ela lá, pensei: – Já que ela não quer ajuda… vou me embora.
Porém, um pensamento me chega forte: E se ela precisar somente de um pouco de carinho?
Indeciso, resolvo voltar. Fecho os olhos um momento, e sentindo uma energia muito boa, falo carinhosamente com aquele sofredor: – Irmão, não quero lhe prejudicar. Talvez, por onde você tenha passado até hoje por essa escuridão afora, só tenham lhe maltratado, acredito que posso lhe ajudar, pois tenho por você nesse momento um grande amor. Se quiser, vou me embora, mas essa não é minha vontade. Deixe pelo menos, eu lhe mostrar uma coisa. Nesse momento perdi o controle dos meus braços, e de minhas mãos, saíram uma energia que abriu um tipo de cúpula energética, um portal, e duas entidades apareceram num local bonito (parecia um tipo de televisão do futuro), e a entidade ao ver a imagem que saiu dali, tomou um susto e disse surpreso: – não, não é verdade. Isso é ilusão, não pode ser… Minha esposa, minha filha, vocês não podem estar vivas, sei que morreram… Ele caiu no chão sem forças, e senti uma força íntima sugestiva, e passai energia para ele. Porém, não de longe, me aproximei, peguei em seus ombros, levantei seu tronco, e abracei ele. Fiquei assim durante um tempo, até que ele adormeceu.

Num processo de trabalho dos amparadores, totalmente invisível para mim, a entidade simplesmente sumiu da minha frente juntamente com o portal. Vi-me só, no escuro da cozinha, eu e as velhas panelas do dia-a-dia…

E agora, o que fazer?
Lembrei do céu, e feliz resolvi voar, ir e aproveitar a hora vaga, dar uma relaxada, mas acho quem algum amparador ouviu meus pensamentos pois, ao pensar isso, imediatamente senti um aperto forte na nuca, era aquela velha sensação de que a experiência parava por ali mesmo.

Abro os olhos físicos.

Fico deitado na cama relembrando os fatos.

Interessante é que sinto uma leve pontada no joelho. Mas acho que é repercussão energética somente.

Bem, se eu tentasse atacar ele, ou enfrenta-lo com vigor, provavelmente ele estaria ainda pelo umbral. Acho que a técnica nesses casos é usar é inteligência e principalmente o amor… Inteligência seria as técnicas usadas pelos nossos amigos espirituais, e amor da parte do projetor e claro, deles também.

O amor, é com certeza a melhor e mais perfeita arma contra qualquer problema ou dificuldade, tanto no corpo, como fora dele.

Abraços

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *