Projeção no Sábado de Carnaval

Saulo Calderon Diário Projetivo, Relatos, Relatos Saulo Calderon 10 Comments

Essa projeção aconteceu no Sábado de Carnaval 18 de Fevereiro de 2012!

Olá, queridos amigos!

Vou relatar uma experiência que para mim foi muito diferente do que normalmente sinto, pois foi muito sutil e sem muita reação energética, além da excelente lucidez e nível de amor que senti!
Eu acho que ela tem a ver com o trabalho de clarividência que venho fazendo.

Fui deitar no sábado de carnaval à tarde.
Fiquei um pouco na cama vendo um documentário no computador quando o sono começou a aumentar.

Deitei para o lado direito e comecei a brincar com uma visualização, muito parecida com o que usamos na técnica do Relato Projetivo que temos no CD Viagem Astral aqui no site. Eu conseguia isso facilmente até. Via-me levantando da cama, indo até a varanda e decolando de lá. Subi voando até o último andar do prédio e olhava para baixo.
A visão estava tão real que tive um certo medo da altura.
Tentei me imaginar decolando sem medo mas percebi que o medo me impedia. Pensei em voltar para o apartamento voando mas mesmo assim preferi recomeçar e puxei toda a visualização de volta, como se estivesse recomeçando.
Através somente da visualização me vi novamente saindo do corpo e indo para a janela e decolando, dessa vez me mantive mais baixo na brincadeira mental. Não subi muito. Fiquei dando piruetas no ar.

Num certo momento meio que perdi a consciência e perdi controle da brincadeira.

Então comecei a sonhar que estava num pasto com alguns cavalos e bois.
Olhei para um cavalo meio feio e pense: nossa tô é fora do corpo já, esse cavalo aí não me engana não, mas mesmo assim minha lucidez não mexeu muito inicialmente.

Nessa hora levantei um pequeno vôo por uma pista de barro. Voava com facilidade e ouvi uma voz falar: Mantenha a calma e procure aumentar a velocidade do vôo. Fui sentindo a velocidade aumentar e aumentar. Até que a lucidez também aumentou muito e quando resolvi ganhar altura percebi que ganho grande velocidade também. E indaguei: nossa, eu estava brincando de voar com a mente, como posso já estar fora do corpo e com tanta facilidade assim?
E a mesma voz falou: “Nós somos livres, o que nos prende é a nossa mente e quando achamos que não podemos”.

Cheguei numa cidade que sabia qual era, só que agora não me lembro.
Sabia que tinha que visitar uma casa e me foi colocado na mente até o caminho voando que tinha que fazer. Sentia minha consciência muito aberta, mas num nível bem elevado mesmo, raramente sinto assim.
Uma alegria e maturidade muito grande. Fui voando com facilidade, reconhecendo e sabendo onde tinha que ir e profundamente feliz com a liberdade que sentia.

Entrei numa rua simples, de barro, com algumas poças de água, e no meio da rua vi uma casa com portão branco de madeira. passei por uma pequena varanda e antes de entrar falei: peço licença para entrar nessa casa!
Passei pela sala! Via todos os detalhes da casinha. Sofá relativamente velho, uma TV velha, era uma casa humilde. Havia uma mulher na cozinha, uma geladeira bem velhinha. Olhei para um quartinho que ficava exatamente ao lado da cozinha. Havia uma senhora deitada de cama, bem velhinha mesmo. Ela estava com problemas de saúde, meio que debilitada e vivendo à base de remédios. Uma senhora a acompanhava e ajudava, parecia uma enfermeira. A enfermeira era uma senhora de uns 60 anos mais ou menos, ela sorriu para mim quando me viu, achei tão lindo o sorriso dela que peguei em seu rosto e falei: Que sorriso lindo!!

A senhora deitada virou para mim levantando as mãos!

Sabia que havia ido ali para ajudá-la. Levantei as mãos e comecei a exteriorizar energias. Senti uma grande energia passar por mim e ir em direção a ela. Vi todo o corpo dela meio que se iluminar e um sorriso lindo vindo dessa senhora. Nesse momento senti vontade de falar algumas coisas e fiz: MInha senhora, tenha calma que isso vai passar, logo vai passar, não está sozinha não, viu! O corpo tá sim doentinho, mas sua alma continua linda e não tem nenhuma dificuldade nela. Ela sorriu novamente para mim!
Lembro do seu semblante de um jeito tão marcante que se soubesse desenhar era capaz de fazer com detalhes! Seus dentes bem velhinhos, o cabelo branquinho, pele enrugada, cabelos curtos. Via que tinha espiritualmente algumas coisas ligadas no corpo astral dela, como que ajudando nas dores, pareciam máquinas e algum soro também.

Nessa hora olhei para a cozinha e vi na porta de trás um senhor muito parecido com meu avô. Senti a emoção bater forte e isso nem foi tão bom, pois minha lucidez começou a baixar. Falei para a senhora que estava lá acompanhando a velhinha doente assim: meu avô eu sei que não é ele ali, mas de algum jeito ele está acompanhando isso aqui agora, sinto isso. E comecei a sentir saudades do meu avô. A emoção fora do corpo é algo incontrolável, e comecei a chorar muito ali. E senti que ia voltar para o corpo.

E simplesmente abri os olhos. Sem perder (pelo menos aparentemente), nenhuma das lembranças.

O que achei mais estranho foi a sutilidade que saí do corpo.
Percebi que o nível de lucidez e liberdade foi muito grande.
Não sei se tem já relação com o trabalho no chacra frontal que venho fazendo com freqüência, mas sei que ando sentindo diferença significativa após esses exercícios.

A experiência me deixou com uma energia e alegria forte até hoje, que é segunda-feira.
Gravei um pequeno FAQ hoje, o 93 por sentir o mundo espiritual bem próximo.
As experiências extra-corpóreas fazem isso, nos conectam fortemente com o mundo espiritual, é como uma constante injeção de ânimo.
Claro que a sintonia nós devemos manter sempre, a forma de enxergar tudo diferente, isso tudo vem de dentro da gente independente de projeção, livros, etc…

Fica aqui o registro de um relato que para mim foi totalmente diferente, por causa da forma sutil com que saí do corpo e o nível de lucidez que alcancei.

A cada dia vamos aprendendo mais, e quanto mais aprendemos mais vemos o quanto somos pequenos e sabemos pouco!

Muita paz e ótima sintonia para todos.

Saulo

Comments 10

  1. É mesmo Saulo… as emoções no astral são tão intensas que não aguentamos e choramos feito crianças…kkk. Já sentí isso algumas vezes, claro, em situações diferentes. Bj

  2. Foi interessante sua experiência, devido a facilidade que teve durante a saída… acontece quando nos pegamos mesmo no sono e mentalmente saímo do coro, sentindo com muita sutilidade o ambiente que nos circunda mesmo que a visão ainda não esteja tão nítida no momento,mais a certeza do que estamos fazendo fica.É sempre bom está atento ao que acontece gravando todas as cenas em detalhes, ajuda a manter um nível instável de consciência, nunca se confundindo com a aparência astral com a física, elas são bem semelhantes superficialmente, nos levamos acreditar por um momento que estamos no físico, levando até o sonho e a parda da consciência em breves momentos.

  3. Oi Saulo…relato bacana…em meio ao turbilhão que ecoa com o período de carnaval, sentir uma sintonia e luceidez assim é previlégio..alegria no coração.Muita paz p vc e todos do GVA

  4. Achei muito bonito e forte o teu relato, Saulo Calderon. Me incentiva a progredir nos meus estudos, práticas e principalmente na reforma íntima. Abraço.

  5. COMO É BOM LER TEUS RELATOS, PODER AJUDAR NOSSOS IRMÃOS, ISTO É MARAVILHOSO, AGRADECIDA POR DIVIDIRES CONOSCOS TUAS EXPERIENCIAS! ” AO DIVIDIRMOS, O BEM SE MULTIPLICA”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *