Relato: Lembranças de uma vida passada como escravo…

Saulo Calderon Diário Projetivo, Relatos, Relatos Saulo Calderon 36 Comments

Peço que só comecem a ler o texto (se possível), dando play na música.
Prestando atenção na melodia, letra e o canto… É um Samba de Clara Nunes, mas foi ela quem me deu a sintonia para poder relatar essa experiência que tive já tem alguns meses…

É só dá play abaixo:
[audio:https://www.viagemastral.com/iva/Cantodastresracas.mp3]

Já tive algumas experiências com escravidão, uma delas escrevi aqui no IVA, chamada Escravidão Astral.

Há um tempo eu tive uma experiência que guardei para mim pois era pessoal e muito forte!
Mas tem vezes que fica difícil.

Ontem eu tava voltando da aula de noite e coloquei um CD de Clara Nunes e aleatoriamente começou a tocar a música CANTO DAS 3 RAÇAS!

EU TENHO CERTEZA QUE FUI NEGRO NA OUTRA VIDA. Desculpe a caixa alta nas letras, mas foi essa experiência que eu tive que mexeu demais comigo, mas não posso provar que isso foi real, nem pra mim nem pra ninguém, mas eu me vi vivendo isso tudo!

Não foi uma projeção, foi um rememoração! Não sei por qual motivo os mentores ou a divindade nos permitem ter essas visões, mas elas mexem demais conosco.

Eu me via numa pequena casa com paredes bem simples. Móveis velhos e algumas coisas penduradas em pedaços de madeira que ajudavam a segurar a casa, roupas velhas.
Via um filho meu indo até a janela e me desesperava falando: não vai até aí, vai chamar a atenção dos brancos, vem pra cá…
Haviam tiros, uma verdadeira guerra lá fora.

Nessa hora achei confuso pois essa guerra parou e vi outra cena onde eu andava no meio de um canavial com outros dois amigos negros. Andávamos por lá e chegamos num barranco bem alto e ficamos lá de cima olhando outras pessoas trabalhando num campo aberto. Ali conversávamos sobre liberdade, sobre os planos de tentarmos libertar ou falar algo àquele povo escravo.

Pouco depois volto à casa e continua a mesma cena anterior.
Eu abaixado e protegendo o corpo do pequeno menino negro, como meu filho. Levantei rápido e ví vários negros mortos sendo colocados em sacos parecidos com de Feijão, marrom, eram empurrados com os pés para poderem caber ali dentro.
Foi quando olharam para a casa que estava. Corri da janela para perto de um tronco de madeira e me abaixei protegendo o menino.
Como não abri a porta ouvi falarem que iam explodir tudo.

Foi quando senti uma grande explosão e praticamente as forças físicas irem embora.
Senti a morte!
Senti a minha morte! Foi uma coisa fortíssima isso.
Mas não senti dor…
Senti tudo balançar em ondas bem fortes e percebia o corpo caindo, mas eu não. Via tudo ao redor. Observava a casa destruída, meu corpo e o do menino jogados, ensangüentados vários escombros por cima dos corpos. Olhei ao redor e via risos dos homens ao lado.
Mas vi ao lado da casa um grupo enorme de espíritos negros nos levantando as mãos.
Nessa hora eu dei um grito espiritual, senti isso tão forte na alma que me balancei em cada célula espiritual. Foi como soltar uma grito de dor fortíssimo, de injustiça, de maldade. Sentia uma força imensa, era uma mistura de ódio com aquela necessidade de sentir paz. De pena daqueles seres, de injustiça em cima daquele menino morto ali…

Nessa hora abri os olhos no corpo e fiquei estático! Não entendia ainda o que havia acontecido.
Era diferente de tudo que já havia vivido! Sonho não podia ser, pois era eu ali! Se não fui eu naquela vida, alguém foi! Não poderia criar aquela cena daquele jeito, a emoção e as visões ao redor. Eu conhecia aquelas pessoas! Sabia claramente quem eram! Mesmo os que nos mataram eu conhecia profundamente, como se tivesse conhecido minuciosamente cada um deles…

Fiquei extremamente pensativo com esse relato.

E não é raro eu encontrar espíritos assim fora do corpo e não é raro que muitos de nós tenhamos passado e vivido na época da escravidão aqui no Brasil.

Às vezes sinto uma força imensa ligada à liberdade e forma de olhar as coisas. Só que é como algo adormecido. Consigo sentir até um certo limite, mas elas tendem a não me deixar ir fundo. Como é bem planejado a encarnação, nos fazem esquecer quase que por completo no consciente, mas a verdade é que isso mora dentro da gente. Não há como nos tirar o que é nosso, de alguma forma sabemos de tudo, bem lá no fundo…

Seja sonho ou realidade não faz diferença para mim, eu me via dentro daquela situação e a respeito profundamente.
Lindo será o dia em que não escravizaremos mais nada… Nem homens…. nem animais…

Que coisa terrível é o sofrimento da injustiça provada na própria pele!
E é preciso vivenciar isso no lombo para compreender essa dor!
Aí daquele que maltratar o próximo… Seja qual for esse próximo…
Pois aprenderá…
Não por vingança, mas por necessidade e natural repercussão da lei. Sentirá na pele para compreender a o grito calado dos mais frágeis!
A agonia que é ser injustiçado!
Ver seus filhos serem assassinados sem dó.
Sentir o soluçar de dor daquele momento (tal como diz a canção que postei).

Parece que ninguém ouviu…
Parece que ninguém estava olhando por eles…
Mas havia uma multidão de espíritos acompanhando…
Não estavam sós…
Real ou não, eu vi quando senti o corpo desfalecer no chão e uma LEGIÃO ENORME de espíritos estavam nos recebendo…

Essa é a história de nosso País, da nossa Terra…
Essa é a história do nosso caminhar espiritual…
Essa é a história dos nossos antepassados…
Essa é a sua e a minha história…

E como também diz a canção:
“esse canto que devia, ser um canto de alegria… Soa apenas como um soluçar de dor…”

E aí penso: como temer?
Temer o que?
Quero a minha liberdade e ela também está em libertar-me do corpo físico e reconhecer o que sou de verdade… UM ESPÍRITO ENCARNADO.

Não importa qual corpo estejamos e nem as dificuldades que enfrentemos, NÓS SOMOS MUITO MAIS DO QUE ISSO!

Na vida passada não fui faraó.
Nem fui ninguém importante…
Não fui Rico…
Não fui reconhecido na dimensão material.
Não sei sei também se fui esse negro que relatei, mas foi o que vivenciei de forma firme nesse lindo presente que tive!
Mas me orgulharia muito mais de mim se tivesse sido assim…
Tenho certeza que a alma quando se liberta carrega a riqueza dos valores morais e éticos, e não da importância que teve em determinada situação…

Muita paz e liberdade, irmãos!

Saulo

Comments 36

  1. caramba saulo. essa foi forte.

    uma vez eu tive uma experiencia parecida, tbm acho q foi rememoração, eu era um travesti negro e feio, e eu estava na frente do espelho me maquiando tentando esconder marcas de acne, usava um vestido vermelho e longo, com uma fenda enorme. sentia uma tristeza profunda, parecia q eu me arrumava pra um show de cabaré. quando abri os olhos já no corpo, fiquei chocada.

  2. Legal Saulo, tbm tive experiencias de rememorações, e tbm n sei o motivo que os mentores permitiram essa experiencia, na verdade foram varias vezes, mas sempre a mesma vida, na vida passada fui um Judeu, morri queimado vivo quando os soldados da SS me pegaram tentando fugir d um campo de concentração, soltaram os cães e me levaram até o forno, e lá me jogaram, ja faz um tempo q n tenho essa experiencia mas sempre q tinha eu acordava suado, o coração a mil…

    grande abraço amigo, que seja feita sempre a vontade d Deus e nunca a nossa!! apenas pagamos mtos de nossos erros!! e continuaremos assim até chegarmos a perfeição!!

  3. Eu nasci católico, porém sou aberto a experiências e estudos e resolvi frequentar um terreiro de umbanda, tomava banhos de cheiro todos os dias e tal. Uma noite, depois de um ter tomado um banho de cheiro, fui deitar e adormeci. Logo tive um sonho em que me via no corpo de um índio, eu via claramente que se passava no tempo do descobrimento do Brasil. Eu corria pelas matas, desviando de tiros dados pelos portugueses, eram muitos correndo atrás de mim, via a floresta, os lagos, os animais claramente, sentia medo, muito medo, me feria nos espinhos enquanto corria, só queria me salvar, então caí em um buraco escuro e logo acordei muito assustado. Não entendia o porquê de tal sonho e porquê eu estava na pele daquele índio…

  4. É meu irmão. Me emocionei agora. Daí talvez venha tua calma, tua perseverança e paciência ao esperar o dia de amanhã. Tua fé! Que essa força e resistência te acompanhem sempre, meu querido irmão. Nessa e noutras vidas. Porque nunca vi alguém estar mais certo do que o negro, certo de si, certo da vida. O negro tem fé. E no final, o que buscamos de vidas em vidas senão a liberdade?

  5. É Saulinho,ainda bem que você foi a vitíma.Sei que é uma experiencia d´alma.O “pior” quando vc é o algoz e seu nome está enlameado de sangue na história.Mas mesmo na casa de nosso pai e mãe,existe o perdão.E viva,sou só mais um na multidao,anônimo e relativamente feliz.
    Eu estou tentando,esforçando mesmo e tendo sucesso no caminhar da minha rendenção .Eu que vinha me culpando por un erro cometido há mais de 2000 anos.Quando com minha amada quiz ser dono do mundo e não era nem dono de mim mesmo.Hj procurando conquistar minha paz e tranquilidade. Vc sabe da minha luta hoje mas agradeço a Deus por “esquecer”,bendito “o esquecimento”.:P …

    Abração

  6. Emocionante o seu relato Saulo!!! Me fez lembrar uma história vivida tbm nessa época de uma pessoa muito querida minha!!
    Só tenho a te agradecer em compartilhar com a gente as suas experiências. Sempre paz !!

  7. É Saulete… chorei…
    E acho engraçado os Negros criticando Brancos sendo que acredito que muitos brancos foram negros e vice e versa… por este motivo acho ridiculo preconceiito… tudo no fim… é um só…
    Agradecida por dividir sua vida conosco.
    Força e Luz*

  8. Olá Saulo!

    Eu já tive “sonhos” ou “rememorações” que acredito ser de vidas passadas minhas. Já me vi fazendo caca e já me vi sendo injustiçado. Certa vez fui até um centro e o médium começou a me testar, fazendo uma espécie de regressão. Cara, acessei algo que era tão forte, senti uma dor e um desespero tão grande, um ressentimento que não era dessa vida! Tenho certeza. Uma dor de injustiça, de perda, de saudade, um desespero total. Nunca senti a morte (nessa vida), mas eu mais ou menos sei o que você passou.

    obrigado por compartilhar.

    do amigo dosanjos.

  9. Oi Saulo, tudo bem ?
    Muito interessante a experiencia que você teve…Mas eu queria fazer algumas observações sobre o texto, sei que não sou o dono da verdade, mas mesmo assim vou deixar minha humilde opinião para que talvez você tenha um novo angulo de vista sobre sua experiencia…

    Infelizmente não posso explicar tudo com detalhes porque daria pra escreve um livro sobre o assunto, mas vou tentar passar a mensagem de maneira mais resumida possível…
    “Que coisa terrível é o sofrimento da injustiça provada na própria pele!”
    Não acho que exista a injustiça porque Deus não é injusto e sim perfeito.
    Alias é muito importante resaltar que a escravidão ja existia entre os negros muuuuito antes de aver um contato com os brancos, os proprios negros escravisavam as tribos rivais e davam de presente para os brancos em troca de mercadorias.

    Ou seja, essa ideia de que o negro foi injustiçado por simplismente ser negro é um folclore e não tem nada de real, os proprios negros criaram essas coisas na vida deles ja que eles mesmo ja se escravizavam uns aos outros…

    É claro que tanbem não estou apoiando a escravidão, mas sei muito bem que todo sofrimento é causado por nós e apenas nós e mais ninguem, tudo esta dentro de nós, não existe a vitima e o algoz. Só quando as pessoas compreenderem isso é que vão encontrar a verdadeira paz que tanto procuram.

    Abraço do seu amigo iluminare! 🙂

    1. O que o amigo Ricardo Lopes disse pode parecer rude para um cristão dizer, mas se não for isto é quase isto, se somos todos espíritos em evolução, então, vez por outra estamos malhando ou sendo malhados, para contribuirmos com nossa evolução rumo à plenitude.
      Eu, particularmente, acredito que estou em fase de proibição carmica de lembranças, pois acredito, com uma quase fé, de que não representei nenhum ato de bondade na minha última existência, joguei a vida na descarga de uma cloaca romana. Olha e quase que estive por jogar esta também. Se não fosse o amparo… talvez não seja por mim.
      O Saulo que se deu bém, até o invejo. Mas ele bem que merece esta alegria de viver que tem hoje. Bendito Seja.

  10. Olá SAulo,

    ASsim como voce tive alguns sonhosem situações semelhantes porém eu não era negra mas convivia com eles e não sei exlicar como mas eu adorava estar no ambiente deles. Lembro-me com muitos detalhes de um cenário onde eu via muitas bananeiras, o chão de terra vermelha batida, inclusive dentro das casas, abóboras gigantes no chão e muitas pencas de bananas penduradas pelas casas. AS casas ertam bem rústicas, tipo barro e o telhado eram de folhas de babaneiras secas ou palhas( não me recordo direito) e dentro delas moravam muitos membros de uma mesma familia, crianças, velhos e adultos… muitos. Quem me levou foi uma amiga negra( lembro bem do sentimento que eu tinha por ela, era como se fosse uma irmã, eu a amava muito), tínhamos cerca de uns 7 ou 8 anos e ao chegar todos me olhavam com receio e desprezo mas logo passou e fui bem recebida, afinal eu era uma criança. Entrei na cozinha e adorei tudo aquilo muito rústico, mas ao mesmo tempo eu via muita tristeza e pobreza.

  11. Ah, eu já tive uma dessa. Mas no meu caso, eu fui atrás (com uma técnica) e a espiritualidade me permitiu ter essa visão. Hj em dia eu não forço mais, pois eu percebo as consequências disso. E se seu tivesse me visto vendo algo errado? Matando alguém? Eu iria me sentir super culpada. Se eu tiver que lembrar mais, espero lembrar naturalmente igual a vc.
    Mas enfim,a visão foi simples: não estava sonhando, estava fazendo a técnica de rememoração e tive a clara lembrança de estar com o corpo de um homem, numa cidadezinha pequena de interior, atravessando uma rua, indo pra algum lugar.
    Apesar de ter sido uma rememoração pequena, é realmente uma experiência muito forte.É muito vívido. E eu abri os olhos chocada, me olhei no espelho e tive a certeza que um dia eu não era esse corpo atual.

    Abraços fortes pra todos

  12. Que experiência emocionante Saulo, fiquei chocada! Graças a Deus você teve esse merecimento de lembrar de sua vida passada! Que bom que você não se viu fazendo o mal, pois deve ser uma sensação terrível, apenas foi a vítima. É isso aí, obrigada por compartilhar conosco sua experiência e que Deus te ilumine sempre!
    Grande abraço!

  13. Nossa…mto forte o relato! Senti uma energia mto forte quando vc flou q protegeu o menino! Eu tbm ficaria orgulhoso se tivesse sido aquele negro!
    Abraço

  14. um belo relato saulo , apos chegar cansado ca poeira de ter jogado com meu mestre e meus amigos ler isso e ouvir essa mussica me fez muito bem obrigado axe e muita paz …e lembreçe estamos sempre a recomeçar …viva a paz e o amor

  15. Boa Noite Saulo,

    Faz alguns tempo que conheço o seu trabalho, e admiro muito o que tem feito.

    Talvez lhe ajude saber disso, mas o chacra responsável por recordações de vidas passadas é o pulmonar. Trabalhe com ele usando o a vogal A possivelmente terá outras experiencias assim.

    Um abraço,
    Romulo

  16. Todas as vezes que leio um relato me vejo na cena e medito a situação. Esse relato mexeu muito comigo e penso no quanto tenho que mudar, mudar minhas atitudes em relação a mim e as pessoas que convivo diariamente. Obrigado Saulo e todo pessoal do IVA por mais um aprendizado. Vc’s têm uma importância muito grande nessa minha vida. Um grande abraço e boa sorte!!!

  17. olá saulo acompanho todos seus trabalhos, adorei seu texto,tive uma experiência parecida,só que eu estava no meio da matança tentando socorrer alguém, sentia uma forte emoçao que acordei chorando,procurando entender o que se passava ali.me indetifiquei muito com o texto.abraços.

  18. Que relato lindo Saulo. Um dia nossa realidade será diferente, todas essas almas lindas de Deus vão acordar e perceber que todas elas são deuses e vão fazer brilhar toda essa luz interior que temos. E tu és uma pessoa muito importante nesse plano. Olha só para quantas pessoas tu levaste essa luz! Vai ser bonito ver todo mundo brilhar. Um dia. Beijos!

  19. estou mt encantado com tudo isso….invadiu minha alma esse relato, agora sei porque o som de tambores e batucadas me envolvem tanto….

  20. Achei muito importante sua colocação pois sempre fui fã da Clara Nunes e esta música com certeza retrata a verdadeira história de muitos,pra falar a verdade eu não costumo escutá-la pois me causa uma certa angustia uma forte vontade de chorar,realmente quem sabe uma viagem no tempo as vezes tão desconhecido por nós mesmo,mas com certeza as dinvindades ou seja algo mais Profundo e ate desconhecido a nós com certeza a de saber,muitas vezes a vida é um Mistério,ainda mais quanto ao que fomos ou onde estaremos quando chegarmos a outra Dimenssão.Abraços Saulo, tenha um bom dia…

  21. Muito bacana Saulo, me emocionou profundamente seu relato! Eu também tenho uma forte intuição de que fui escrava negra no passado. Viva a nossa liberdade irmão.

    Francieli

  22. Gostaria de saber se alguém pode me dar algum conselho ou dica do que seja isso

    De vez enquando sinto uma sensação muito estranha dentro de min,eu olho para um ponto fixo e com muita concentração eu começo a sentir que estou fora do meu corpo,tudo isso de olhos abertos,tendo pessoas por perto,barulho ou não,é uma sensação que me dá pânico,pois sinto que minha mente está ali,mas meu corpo não,então algo dentro de min grita se perguntando,onde estou?como vim parar aqui?Durante esse tempo fico muito assustada!Parece que acordei depois de muito tempo de viajem e estou perdida sem saber como fui parar ali,é sempre assim acontece com muita frequencia!!

    Me ajudem!

  23. Sempre fu ateista, tive a experiencia de estar em outra vida, falando outro idioma e eu entendendo tudo, eu era uma mulher má, Quando acontece a minha morte chego a me ver dentro de uma caixão e falando escolhendo caracteristicas físicas o lugar onde morar e minha própia fámilia. Fiz um teste sobre vidas passadas e o resultado é exatamente igual a minha experiencia. Não sei se foi um sonho ou algo real.

  24. Essa noite através de uma projeção consciente, vivi um dia de uma vida passada.
    Me lembro de olhar no calendário e ser o ano de 1942, eu tinha uma outra família, me lembro de uma mulher de cabelos pretos ser minha mãe.
    Nós morávamos em uma casa perto de um rio, que tinha um pier, para a qual íamos de barco. Acredito que eu era de uma família rica, pois era uma casa grande e bonita.
    Tenho a impressão de que alguém me perseguia, me lembro também de um quarto, onde eu tentava fechar uma porta amarela e sentia medo, provavelmente foi ali que vivi meus últimos momentos encarnado naquela vida. Eu era ainda jovem.

  25. Olá! Parabéns pelo brilhante relato!
    De uns tempos para cá, fatos estranhos começaram a acontecer comigo…e por determinados momentos estava tendo a certeza de estar ficando louca…até chegar a este site e ler este relato e encontrar tantas outras pessoas vivendo quase que a mesma situação.Estava procurando entender sobre memórias de vidas passadas…e as coisas que estão acontecendo comigo desde que acontece um incêndio em minha cidade, e do nada cai aqui neste site e creio estar no lugar certo! Vou tomar coragem e assim que possível deixar aqui meu relato, para que vcs possam me ajudar.
    Beijos a todos e beijos na alma
    Maristela

  26. "Será q já raiou a liberdade, ou se foi tudo ilusão.
    Será q a Lei Áurea tão sonhada, a tanto tempo imaginada,
    Não foi o fim da escravidão.
    Hj dentro da realidade. Onde está a liberdade, onde está q ninguém viu.
    Moço, não se esqueça q e o negro tb construiu, as riquezas do nosso Brasil…"
    letra do samba da Mangueira 1988

  27. eu fiz regressão de memoria e vi 4 vidas uma como pescador japonês, outra como soldado romano orgulhoso, outra como negro escravo e a ultima como um traficante.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *